quinta-feira, 12 de março de 2009

A preguiça é circunstancial

A falta do que fazer é algo, realmente, muito chato. Os dias parecem nunca acabar, ainda mais quando se é acordado às oito horas da madrugada com gritos e portas batendo por toda a casa. Fico a pensar, ainda deitado, por que diabos meus pais não entendem que oito horas da manhã é hora de se estar dormindo? Mas desisti de convencê-los disso. Sempre saio como o preguiçoso da família. Aquele que nunca vai crescer na vida por excesso de preguiça. Dá pra acreditar?
No último mês descobri um inferno de um jogo que me viciou e que só me deixa dormir depois das 00:30h, no mínimo. Eu tento deixar aquele vício, mas o vício é mais forte que eu e então me dou por vencido. Desligo o computador depois de tantas tentativas frustradas e tento dormir. Mas quem disse que consigo? Já deitado, lembro do outro vício. O cigarro. Levanto. Ando pela casa em direção à varanda como se estivesse andando sobre ovos para não acordar minha mãe. Ela não fecha a porta do quarto porque diz que tem medo de ladrões arrombarem a casa e levar tudo. Vê se pode? Ela só pode ser doida. Se um ladrão entrar na minha casa eu quero estar com a porta do meu quarto bem, mas muito bem, trancada. Será que minha mãe pensa que é a Mulher Maravilha? Mas como ia dizendo antes de ser pego pelas lembranças das peripécias de minha mãe... fumo meu cigarro e volto pro meu quarto. Deito e não durmo mais uma vez. Lembro que não consigo dormir sem beber água pra tirar o gosto do cigarro da boca. Tento me convencer que isso é TOQ, mas não tem jeito, é uma discussão que perco pra mim mesmo. Levanto, bebo água, volto ao quarto e tento, mais uma vez, dormir. Dormiria como um anjo se não fossem aquelas malditas muriçocas. Que raiva eu tenho de muriçocas. Se pudesse pensaria na morte da muriçoca e ela morreria. Isso sem falar no calor dos infernos de um quarto sem janelas nem ventilador. Tem dias que tenho vontade de chorar de tanta desgraça. A única coisa que quero é dormir. Isso é pecado, pelo amor de Deus? O que mais me entristece é que uma desgraça nunca vem sozinha. É igual a espermatozóide, quando solta um sai mais de um milhão. No outro dia antes das 08:00h minha sobrinha já acordou gritando por minha mãe que liga a televisão nas alturas pra assistir Madeline. Só pode ser praga! A peste da menina já acorda acordando todo mundo. Eu não agüento mais aquela voz chata de Madeline chamando pela Srtª Clavell. Me viro e reviro de um lado pro outro da cama mas não tem jeito. Logo meu pai, minha mãe, minha sobrinha já estão todos me gritando. Meu nome só pode ser doce na boca desse povo. Tomara que fiquem com os dentes tudo careados.
Mas voltando ao assunto de não ter o que fazer... Alías, antes de falar sobre a falta de algo pra fazer... Dá pra acreditar que eles, os meus pais, ainda tem a coragem de olhar na minha cara quando acordo e me perguntar por que estou de mau humor? Às vezes até acho que eles perguntam já pra me abusar, mas depois lembro que eles não são de brincadeira, eles realmente falam sério. Respiro fundo, conto até 5 e entro no banheiro pra lavar o rosto, é porque se eu contar até 10 vão falar que é pro tempo passar pra não dar tempo de fazer nada.
Bom, agora eu to com preguiça de terminar esse texto. Vou dormir porque a noite promete.

7 comentários:

Irmão Diogo disse...

Você foi feliz no seu objetivo. Meio infeliz na noite, mas sabe como é "a desgraça de um pode (é) a felicidade de outros". Valeu pelo texto.

Calila das Mercês disse...

Tedinho... adoOOooro seus textos!!

Está numa situação parecidíssima com a minha. Meus pais falam a mesma coisa. Meu quarto faz um calor danado. Tem as pestes das muriçocas...

Mas ainda n tenho sobrinha!! Ufa!
Menos um, né!!


Beijão e passa lá no Café quando der. Já linkei vc lá.

Beijão

Fernando Mota disse...

Véi, eu sou seu fã! Não tem jeito, seus textos são sempre bem construídos!

Parabéns, Tedinho!

Tô começando agora também!
Depois passa lá...

Abraços,

Fernando.
www.prosadegaveta.blogspot.com

Diana disse...

Wou Tedinho sofro da mesma frustração de acordar de madrugada mas no meu caso é a maldição do telefone... as vezes uma prima pequena que não tem semancol...rsrrss...
E outra, muita prguiça e coisas pra fazer..

Arrrr
Adorei o texto!!!
Bjocas

Marcelle Alves disse...

risos desse mal (de família) não perco o sono rs, não por eles não tentarem. Mas pq tenho sono de pedra mesmo!

Demora muito a postar não... risos parece o meu blog

http://canetadadigital.wordpress.com

A pequena grande Iza disse...

Eu ri tanto e me senti quase que na mesma situação. Como você bem sabe, meu pai acorda até bem mais cedo do que o seu, 4 da matina pra andar. Moro em um quase hotel e as escadas ficam do lado do meu quarto e moro na mesma cidade que você, com brutas e malditas muriçocas e um calor infernal( se existe inferno, é bem perto daqui).
Ai, Ted. Você é demais, garoto. óTimo e diferente texto.
Sucesso pra ti.

Jason Waider disse...

Show de bola!!! To de acordo!!!
Como se diz desgraça poca é boabgem.

vlwwwww>>>>>>>>> Jason W.