sábado, 13 de dezembro de 2008

Quando a janela azul fechar

Sem saber o que falar, tento buscar no silêncio palavras de consolo que possam esconder a saudade e a vontade de ter teu carinho. A noite, embriagada de tanta noite, me faz procurar nas nuvens figuras que possam fazer o tempo passar mais depressa. A cor rosada do céu de nenhum brilho parece esfriar meu corpo que se encolhe imaginando tuas mãos brincando com meus cabelos enquanto te conto piadas bobas te arrancando sorrisos que divertem o escuro.
Lembro de tuas unhas e da sujeira que mantinha debaixo delas. Lembro de teus dedos delicados e poderia até desenhar as tuas digitais. Lembro que os dias passam e o verão se aproxima. No verão as pessoas ficam mais excitantes. Seus sexos suam mais liberando odores que em mim ativam o falo. O suor dos corpos é mais seboso. Os corpos são mais sebosos. Mas o teu não. O teu parece ter sempre o frescor de noites frias de outono. A tua pele macia, sempre tão fria, me arranca cala frios cada vez que me diz safadezas no ouvido. Que tesão meu bem.
A imaginação me pune e percebo que a janela azul permanece aberta. Uma taça de vinho me consola. Esse gosto seco de vida invade meu corpo numa contínua tentativa de tentar me drogar. A fumaça do cigarro esquecida ao lado parece dissipar as nuvens rosadas tentando me mostrar que os pontinhos brilhantes continuam lá. A noite persiste em existir. O tempo. A distância.
Percebo que tudo continuará igual. Que você ainda está aí. Você está bem meu bem? Será que está com outro alguém? Talvez esteja pensando em mim também. Ou, talvez, esteja apenas dormindo. Eu continuo aqui. O frio também.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Assim como Maiane

Hoje pela terceira vez me sinto um adolescente da década de 90. Trancado no quarto com discos de vinil pendurados na parede, acendo um cigarro escondido para aliviar a euforia depois de ter me masturbado enquanto escutava Renato Russo cantar as misérias do mundo. Escrevo em meu caderno como se fosse um diário, já que não tenho com quem conversar. Hoje, todos estão chatos. O celular não toca.
Não sei bem o que escrever aqui. Não me sinto muito bem. Ele, o dia, não começou da maneira que parecia começar. Fui o segundo a chegar à sala de aula, atrás apenas de Maiane. Mas é impossível chegar antes de Maiane. Maiane é sempre a primeira a chegar. Para falar a verdade, nunca ninguém chegou antes de Maiane. Nem mesmo os professores chegam antes de Maiane. Maiane é realmente demais! Porque estou falando de Maiane mesmo? Será que estou apaixonado por Maiane? Nãaaao! Ah! Lembrei. Por ser o segundo a chegar à sala, depois de Maiane, ganhei um presente do professor. Sentei até na frente, prestei atenção no que ele dizia e até participei da aula. Sentia-me vitorioso. Era como se estivesse voltando à época de aluno exemplar, assim como Maiane.
O celular tocou desviando a atenção de todos em minha direção. Olhei para ver quem era ao mesmo tempo em que levantava pra sair da sala, com as bochechas e orelhas vermelhas por ter atrapalhado a aula, por ter atrapalhado Maiane.
O nome do parasita que aparecia na tela do celular me roubava um sorriso e sua voz fazia-me acalmar as bochechas e esfriar as orelhas.
Logo tudo mudava e o que era sorriso virava decepção. A alegria dava lugar ao incômodo. A ressaca das várias cervejas do dia anterior parecia chegar cm toda força.
Voltava pra sala, mas ela não era mais a mesma coisa, apesar de Maiane ainda estar nela e acompanhar com a cabeça os movimentos do professor. Não consegui ficar por muito tempo.
Minha casa parecia mais ser mais acolhedora e menos cruel. Só queria dormir, dormir, dormir e acordar pra dormir novamente.
As duas tentativas de falar com o parasita não me deram nenhuma resposta. Agora Astrude chegou. Agora eu vou beber novamente. Encher a cara mesmo, como se estivesse dando força à minha dor. Talvez até me torne um parasita. Talvez até encontre Maiane.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Baiana é aquela que entra no samba de qualquer maneira...


Cachoeira, 24 de setembro de 2008

A fumaça escura que deixa meus dedos fedorentos e amarelados penetra por minha boca até meus pulmões e me faz prender a respiração por alguns segundos proporciona-me tranqüilidade e bem-estar.
Essa onda contra o tabagismo pregada pelos mais diferenciados meios de comunicação me exclui cada vez mais dessa sociedade hipócrita e decadente que impõe àqueles atrasados mentais o que é bom ou ruim para suas próprias vidas.
Quem disse que quero parar de fumar? Quem disse que devo me privar de me sentir bem por ser vítima de um desprezível empinar de um nariz alheio ou pelo olhar de repúdio de um idiota qualquer.
Fique sabendo que fumar não é apenas um gesto banal que realizamos. É muito mais que isso. Um cigarro é o completar a satisfação da barriga cheia, é o deixar pingar a última gota de esperma depois de uma transa que durou horas, é o sentir-se bem numa tarde de domingo assistindo Faustão mesmo sabendo que temos uma prova na segunda pela manhã.
Meu pulmão não é mais o mesmo, e daí? Passamos toda a nossa vida inalando poluentes que nos faz tão mal quanto o cigarro.
O cigarro é responsável por inúmeros cânceres e mortes, e daí? As balas perdidas e os acidentes de trânsito matam mais que o cigarro.
Por que então colocar a culpa em um simples bastãozinho de papel e palha que faz qualquer alegria mais alegre e qualquer depressão mais teatral? Não vejo razão para me censurar.
E mesmo depois de 20 anos, se algum dia um médico me disser que tenho poucos meses de vida, a primeira coisa que farei será fumar um cigarro. Já que fui mais um idiota que acreditei na televisão e suas propagandas antitabagistas e quis satisfazer um capricho seu.
Beijos Mãe. Espero que esteja mais feliz agora, mesmo sabendo que meus prazeres não estão mais completos.


Saudades, Ted Sampaio

Dona Dalva


domingo, 24 de agosto de 2008

Tesão, ciúme e sono

A dor de cabeça era tremenda. Tinha começado a beber, sozinho,por volta das 11h00 e já passavam das 23h00, agora acompanhado por amigos que iam e vinham em movimentos constantes que me deixavam um tanto tonto. Minha boca fedia aos cigarros das duas carteiras fumadas desde a manhã. Minha língua, áspera e amarelada pelos vários copos de cerveja, procurava entre os dentes os restos de carne de um hamburger mal feito da barraquinha da esquina. Meus olhos, quase fechados de tanta boemia, te encontravam em meio a multidão e me faziam sentir o cheiro do teu sexo. Te comia com eles, menos verdes e mais famintos que antes.
O som não era dos melhores, e contribuía para tornar aquele local menos agradável aos meus instintos. A tua voz me incomodava. Queria apenas te ver, te ter, sem nenhum pudor, sem nenhum pavor. Difícil.

Arrodeado por teus amigos, quase desconhecidos, parecia ser estranho ao teu ser. Era como se tudo que tínhamos vivido até ali tivesse escorrido como as gotas na superfície lisa do meu copo de cerveja, que a esta altura já estava quente. Um gole, outro e outro...
O som já não existia mais. No pequeno palco à nossa frente, alguns homens vestidos de vermelho afinavam os instrumentos musicais da banda que estava por vir. Sentindo o teu desprezo e não sentindo o meu corpo, levantei-me em passos falsos e raivosos tentando caminhar em direção ao palco. Triste.
A banda que começava a se apresentar era uma velha conhecida. As batidas fortes do tambor e percussão deixavam um eco em minha mente e me faziam perceber a minha quase embriaguez. Você chegava e em pé ao meu lado me sorria um sorriso apaixonado e me prometia, ao pé do ouvido, uma noite de sexo inesquecivel. Excitante. Já te sentia de volta pra mim. Aos poucos, conversava comigo e até fazia careta. Sorria.
As batidas africanas me faziam dançar em homenagem ao meu orixá. Os pingos da chuva molhavam meu rosto e me faziam esquecer da dor de cabeça que momentos atrás me atormentava. Faziam também que fosses procurar um abrigo. Me chamastes tantas e tantas vezes para tomar banho de chuva e agora corres? Molhado. Mas eu só queria o teu sexo.
Te olhava em baixo daquela cobertura, se divertia à distância. Eu também. Aos poucos, voltava a minha lucidez. A água cumpria este papel e também me deixava com frio. Sumiste.
Sentado num banco de uma pracinha qualquer, esperava por tua volta. Minha boca tremia e minha pele se arrepiava a cada tragada daquele cigarro molhado pelas gotas que escorriam das folhas da árvore ao meu lado. Com a espera, voltava a pensar nas safadezes que faria contigo naquela noite. Você chegou, fomos pra minha casa. Você levou seus amigos. Risos.
Eu, deitado em minha cama, limpo e excitado, vejo você entrar porta a dentro com tesão no olhar. Deita ao meu lado. Me diz que estou estranho. Ganho um beijo no rosto, um "eu te amo" e um "boa noite". Me abraça e dorme.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Sant'Ana

A noite havia sido ótima. Com as garrafas vazias de cerveja poderíamos escrever os nomes das quase 20 pessoas que compunham a mesa. O som era bacana, arrocha. As pernas já não agüentavam mais os corpos que se debruçavam sobre meu colo. Os olhos também não. Insistiam em fechar de sono, contando, claro, com a ajuda de uma “pequena” quantidade de álcool contida em minha corrente sanguínea. A vontade de dormir estava estampada no olhar descarado de quem observava decotes que roçavam em meu peito.
Cambaleante, de volta para casa, atravessava a ponte que tremia com o passar do trem. A chave parecia ter vida própria e fugia, desesperadamente, do cadeado do primeiro portão até chegar ao meu apartamento. Ainda tinha que passar por mais dois portões para chegar à porta. Este último obstáculo não foi vencido. Deitei na rede armada na varando para ganhar fôlego e tentar, pela terceira vez, entrar em casa.
O piar dos pássaros na mangueira ao lado e os primeiros raios do sol incomodavam meu sono, aumentavam minha dor de cabeça e me lembrava que tinha cinco aulas de Fundamentação do Trabalho Científico com um professor de quase 90 anos que deixava a aula, digamos, demorada. Não me recordo, exatamente, com o que sonhava quando fui acordado por uma amiga que segurava uma garrafa de 500ml de água.
Correndo de volta pra casa, sob um sol que parecia fazer a ponte ficar maior, tinha pressa. Voltava para minha cidade natal ainda neste dia e em menos de uma hora deveria estar na rodoviária para não perder o ônibus. Bendito ônibus.
Em casa demorei o suficiente para tomar um banho rápido, socar algumas roupas sujas na mochila, tomar alguns copos com água, um comprimido para dor de cabeça e seguir em busca do ônibus. Deu tempo. Para meu azar?
Sentado em uma poltrona que não reclinava, ao lado de uma mulher que, além de ter mal hálito, passou quase duas horas tentando me explicar porque ela havia acabado um casamento de oito meses para morar com o caixa do supermercado de seu ex, desejava que algo acontecesse a fim de me livrar daquela situação. Aconteceu.
O motorista, com cara de que nada acontecia, chegou para todos e avisou:
-Nosso ônibus quebrou. Dentro de, no máximo, duas horas chegará um outro e poderemos prosseguir nossa viagem. Aqueles que estão próximos de seus destinos poderão embarcar nos próximos ônibus que passarem por aqui. Os outros... infelizmente terão que aguardar.
Minha cidade era a última daquele percurso.
Depois de mais uma hora com aquela mulher que já me considerava seu amigo de infância, a fome e a sede começavam a incomodar. Passei a mão pela carteira e percebi que todo dinheiro que tinha eram R$0,40. Isolado do mundo, com aquele ser vivo sentado ao meu lado, com fome, sede, dor de cabeça e R$0,40 no bolso. Era quase um fim de carreira para mim. Quase, porque ainda tive que assistir à infeliz da mulher pegar carona com um amigo seu que passava pelo local e ganhar um tchauzinho por detrás do vidro fumê levantado por causa do ar-condicionado.
Achando que iria morrer, tentava descobrir qual seria o pecado por estar passando por tudo aquilo sem desconfiar que poderia piorar. A churrascaria de beira de estrada começava a assar os longos espetos de carnes à espera dos caminhoneiros que procuravam um local para jantar. O cheiro da comida parecia formigas dentro do meu estômago.
O sol já encontrava as serras do poente e a noite já dava sinais de que não tardaria a chegar. Coitado de mim. Tinha realmente acreditado nas duas horas prometidas pelo motorista. O socorro prometido a cinco horas antes parecia um sopro de vida para um doente em estágio terminal. Coitada da mãe do motorista.
Devidamente acomodados no novo ônibus, preocupava-mos agora com a estrada conhecida como uma das mais perigosas do Estado. Deu tudo certo.
Depois de dez horas, numa viagem que geralmente dura cinco, diminuindo para três horas quando percorrida de carro próprio, enfim chegava em casa.
O final de semana foi ótimo. Um dos melhores da minha vida monótona. Talvez por isso não tivesse estudado para o seminário da segunda-feira que se aproximava. Mas estava tranquilo. As cinco horas de retorno à Cachoeira supririam esta necessidade de tempo. Pobre ilusão pensar que voltava a minha maré de sorte.
Lembra da estrada perigosa? Pois é, aquele seria meu endereço nas próximas e cobiçadas horas daquela manhã de segunda.
Com minhas apostilas em mãos, começava a ser incomodado por um cheiro de borracha queimada que invadia o ônibus e causava medo e inquietação nos quase 60 passageiros destribuidos entre poltronas e corredor do busú. As labaredas de fogo que não tardaram a aparecer já alcançavam as últimas janelas do veículo e enchiam seu interior de uma fumaça negra causando pânico na superlotação que corria desesperada para a única porta de saída. Azar de uma pobre senhora, que pelo semblante do rosto e os movimentos debilitados parecia ser a irmã mais velha do meu professor da última sexta-feira, que pegava algumas moedas caídas no corredor. Ainda bem que ela não tinha osteoporose, artrose ou algo do tipo.
Desesperado ao lembrar das cinco horas de espera e de um seminário para apresentar nas próximas quatro horas, peguei carona no primeiro carro que passou de volta à Itaberaba. Um caminhão carregado de blocos. Engana-se quem pensa que fui na cabine. Ao chegar em Iaçu, uma pequena cidade há 30km de Itaberaba, peguei um outro ônibus de volta à cidade da pedra que brilha e convenci meu pai a levar-me até Cachoeira, alegando que não poderia perder àquele dia de aula. Consegui.
Apresentando o seminário, sem nenhuma preparação prévia, ainda fui vítima de chacota de uma professora que inicialmente sorria para mim num tom meio que: "Já ouvi falar de trabalhos que foram engolidos por cachorros, outros que caíram da ponte quando o vento soprou e mais uma porção de desculpas esfarrapadas, mas num ônibus que pega fogo foi a primeira vez".

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Os seis sentidos para ser gente

Sexo. Ainda sinto o cheiro amargo do prazer abafado por lábios famintos pelo gosto que me faz transpirar. Por uma brecha da janela encostada posso ver vestígios de uma noite sem lua refletidos em teu olhar sedento de prazer enquanto abraça meu corpo molhado que libera o odor de um perfume vagabundo de uma marca qualquer.
Mordes os lábios e acerta-me a cara com a mão, antes delicada, combinada a uma sincronia de movimentos perfeitos. O barulho do choque entre os corpos ainda ressoam quando encontro pedaços de teu corpo sobre o lençol verde de uma cama de solteiro apertada e sem luxo que não nos dá espaço para desgrudarmos um do outro. Juntos, presos, apenas um, dois. Minhas mãos percorrendo seu corpo liso e suado parecem buscar algo inalcançável para simples mãos. Seguro o teu sexo e te faço soltar gemidos que cheiram a pecado.
Os movimentos aumentam. O prazer também. De olhos fechados, sem nenhuma dor, ainda posso sentir o gosto do suor que escorre pelo meu rosto me fazendo suspirar de prazer enquanto sussurra anúncios de gozo em meu ouvido. O cheiro aumenta. O suor dos corpos se torna ainda mais perceptível. Minhas mãos já percorrem o meu corpo em movimentos leves e descarados. Os meus olhos serrados me deixam sentir o gosto do prazer. Minha boca suga a tua pele como se buscasse por sangue quando não consegue mais ficar em silêncio. Gozei.
Então vem o abraço. O beijo desconcertante. Uma camiseta usada numa festa qualquer. Uma água fria de um banheiro sem chaves. Um outro abraço. Um cigarro na janela do quarto, agora aberta. O sono. O abraço. O sono. O beijo. O sono. O sono. O sono. O sono. Acordo.
Olho teu rosto de cansaço de uma noite mal dormida. Escorrego a mão pelo teu corpo. Incomodo-te com meu olhar de fome. Digo-te besteiras no ouvido e então... sexo.

quinta-feira, 1 de maio de 2008

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Andando em rastro de corno

Poderia dizer que este foi um dia qualquer? Sim. Assim eu pensava quando saí de casa por volta das 7h30min da manhã em direção à Cruz das Almas para cobrir uma provável invasão do MST ao campus da UFRB (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia).
Ainda com o rosto marcado pelo lençol de uma noite mal dormida, saí de casa com um cigarro na mão tentando disfarçar a fome que sentia. Com quase nenhum dinheiro no bolso atravessei a ponte com um andar cambaleante que me levava até o ponto dos transportes alternativos onde um colega me esperava, ou pelo menos deveria estar. Após um longa espera de cinco minutos, tempo suficiente para fumar mais um cigarro e diminuir a apreensão, vejo João, o amigo esperado, descer de um carro que o trazia de Feira de Santana. Até que enfim.
Subimos no carro, se não me engano uma Besta, sem suspeitar que aquele também pudesse ser meu nome ao longo do dia, e seguimos muito entusiasmados para a cidade vizinha cujo nome lembra crucificação. Coincidência? Ainda no carro, escutávamos a rádio que não parava de falar sobre o assassinato de uma criança burguesinha que tinha sido jogada pela janela do, se não me engano, sexto andar de um edifício em São Paulo. Já estava cansado de tanta besteira falada pelo radialista que não se considerava sensacionalista após bater, insistentemente, o mesmo assunto por mais de 30 minutos, quando chegamos até a dita cidade.
Perdidos, sem saber como chegar ao local do “evento” onde captaríamos depoimentos e faríamos algumas fotos, pedimos à cobradora da Besta que nos deixasse no local mais próximo ao campus da UFRB. Achando-nos com cara de completos idiotas, e eu ainda tenho minhas dúvidas quanto a isso, ela disse que poderia nos deixar dentro do Campus, em troca, pagaríamos o dobro do que tínhamos pagado até então.
Não sei por qual motivo resolvemos ficar por ali mesmo. Descemos e seguimos a orientação do motorista. Segundo ele, teríamos que atravessar uma pequena praça e seguirmos, em suas palavras, “toda a vida”.
Atravessamos a pracinha e caminhamos por uma rua que parecia não ter fim. Já cansados, sob um sol escaldante e um tênis que parecia incomodar, começávamos a pensar que o tiozinho do carro havia nos enganado. Parei para pedir informações a uma possível evangélica que lia a bíblia enquanto andava. Quando percebi seu olhar de repúdio para minha mão que segurava o terceiro cigarro do dia, pensei: “Agora fudeu. Ela vai falar a mesma coisa que o miserável do motorista”. Pensei certo.
Como não tínhamos mais nenhuma escolha seguimos em frente. Após 20 minutos cronometrados no relógio do celular chegamos até uma rua que dava acesso ao campus da universidade. Ao ver o portão de acesso, pedi desculpas às mães do motorista e da menina evangélica.
Ao lembrar da longa distância entre o portão central e o prédio da reitoria pensava no tênis que agora já provocava um pequeno ferimento no pé direito e no sol que parecia ainda mais forte que minutos atrás. Não tinha outro jeito. O maldito espírito jornalístico, ou a necessidade por uma nota melhor na disciplina, nos deixava dispostos a enfrentar mais esta caminhada. Primeiro asfalto, depois um pequeno atalho por dentro do mato. Enfim chegamos.
Para nossa surpresa não tinha porra de movimento nenhum. Não tinha nenhuma barraquinha, nenhuma enxada e muito menos gente que protestasse por um pedaço de terra dos 1.600 hectares pertencentes à universidade. Com um olhar de raiva que ardia com os pingos de suor que escorriam pelo meu rosto falei: “A pauta caiu”.
Decidimos então pedir um carro à Universidade que pudesse nos levar para um bairro localizado dentro dos limites do campus. Após subir e descer escadas estava sentado preenchendo um ofício de liberação do carro da instituição quando entra uma morena de corpo esbelto e olhar aflito alarmando a todos que os sem terra haviam chegado. Olhei para João enquanto ele falava sem hesitar: “Beleza, a pauta não caiu”. No mesmo momento uma outra funcionária da instituição rebateu a informação dizendo: “fecha tudo”.
Corremos para o saguão da reitoria com gravadores e máquinas fotográficas na mão em busca do melhor depoimento e da melhor fotografia. Se não conseguíssemos, nosso querido professor, a quem chamamos de General Facista, nos matava. Colhemos vários depoimentos dos manifestantes que mais pareciam refugiados do asilo municipal e tiramos ótimas fotos. Precisávamos agora de um parecer da Universidade que não tinha muito a informar, a não ser um ex-diretor do nosso campus de Cachoeira que participava de uma reunião com representantes dos manifestantes e só poderia nos atender quando terminasse a longa reunião.
2h30min depois, sentados sob o mesmo sol e perdendo as contas dos cigarros fumados já tínhamos garantido nossa carona de volta para Cachoeira. Um professor que iria buscar o carro na oficina, fazer algumas compras e pegar um óculos numa ótica passaria em instantes para nos buscar. Beleza
Distraídos com os carros que vinham pela pista asfaltada que dava acesso à reitoria na esperança de que fosse nossa carona, esquecemos do ex-diretor que a essa altura já estava longe do campus.
O sol roubava nossa sombra que tanto nos fez feliz. Já havíamos perdido as contas dos carros que surgiam no horizonte e eram intitulados de “agora é ele”. Também já não tínhamos mais quem entrevistar. Definitivamente o General ia nos matar.
João ainda se distraia com as belas pernas das estudantes de agronomia. Interessei-me por uma em especial. Usava calça jeans e uma camiseta que deixava sua bela barriga à mostra. À mostra também estava sua tatuagem, um pescador que escondia seu anzol dentro da calça da bela morena. Instigante.
João começava a falar coisas sem nexo, eu também. Acho que a fome, a sede e o sol já estava nos deixando meio loucos. Depois de um espaço de tempo em silêncio, João faz o comentário mais verídico daquele dia: “Agente só pode estar andando em rastro de corno.” Aquela frase boba me deixou rindo por minutos sem parar. As lágrimas rolavam, não sei se de tanto rir, de raiva, de fome ou de uma constatação de que ele tinha razão.
Sentados numa escada, dessa vez em meio a sombra que dava idéia de noite, e víamos as pessoas andando para um lado e para o outro que já nos olhavam com certa pena.
Resolvemos desistir da carona e seguir novamente a pé até o centro, já que nenhum dos carros que pedimos carona parou. Não agüentava mais o ferimento provocado pelo tênis que já fazia escorrer um fio de sangue manchando a minha meia branca.
A confirmação de que estava realmente andando em rastro de corno veio quando percebi que estava perdido na cidade das almas penadas. Sem querer deixar o fiel companheiro de rastro assustado fingia não estar preocupado e saber exatamente para onde estava indo. Por um momento acreditei ter encontrado o caminho certo. Lembrei do muro que a minha cabeça fragilizada pelo calor achava ser o mesmo onde parei a evangélica a quem pedi informações, segui rua à frente. Fomos parar numa mata no meio da cidade. Que diabos de cidade tem isso? A cidade do Cruz Credo.
Resolvemos andar em paralelo à mata, lembrávamos de alguma coisa do tipo quando chegamos na cidade. Conseguimos.
“Ta no inferno, abraça o capeta”. Àquele momento parecia nosso lema de vida. Paramos num pequeno bar e brindamos à retomada de percurso. A maresia batia, a carteira de cigarros comprada na manhã do mesmo dia extinguia-se. Tava na hora de ir para o ponto pegar mais uma Besta.
No caminho, achamos uma oficina mecânica com o carro do professor. Saímos correndo em direção à oficina gritando repetidamente: “Agora é ele. Agora é ele.” Realmente era, mas o professor não estava mais lá. O jeito foi voltar para a Besta. Ainda conseguimos a última que saia para Cachoeira naquele dia. Ufa!
Apertados, parando em cada esquina, com um barulho de carro velho, fedor de fumaça, demais passageiros que falavam merda e uma porta que mal fechava, estávamos indo pra casa. Uma vida assim, só mesmo quem anda em rastro de corno. Espero não estar andando para trás.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Nem sempre um dia qualquer

Hoje o dia começou da mesma forma que começou nos inúmeros finais de semana de minha vida, com festa. Esta, porém, foi especial. Tratava-se do aniversário de Arianne, uma amiga da faculdade e dos bares da redondeza.
O estilo rústico e requintado do ambiente parecia transportar todos os presentes para uma outra dimensão onde as pessoas são mais calientes, as músicas mais dançantes, a comida mais picante e a cerveja mais gelada, sem esquecer, claro, dos garçons que ao contrário de tantos outros, não deixava meu copo seco.
Era exatamente 00h01min do domingo quando levantamos e cantamos um entusiasmado “parabéns” em ritmo de samba. Não poderia esquecer, entretanto, de uma outra música cantada por um coro de, mais ou menos, 90 pessoas: “Com quem será? Com quem será? Com quem será que Arianne vai casar?”.
Olhei para o lado e avistei a aniversariante num demorado e afável abraço com sua irmã. Lembrei do longo tempo que via minha família e contei, mentalmente, os dias que faltavam para revê-la. A saudade me fez acender um cigarro e tomar um gole da cerveja que acabara de chegar, gelada.
À minha volta estavam Sarah, fiel companheira, Andréia, que teria grande importância no decorrer do dia, Larissa, uma amiga que mora comigo e que se auto-intitula minha esposa e Alana, a irmã abraçada. Os minutos iam passando rapidamente e logo me chamaram para levantar da cadeira e cair no samba, sambei.
O suor escorria e já não existia mais nenhum tipo de protocolo ou “educação”. Uma garçonete, morena, bonita, parecia ter me descoberto entre a multidão por algum motivo. Acho que se cansou de encher meu copo. Nesse momento já me entregava as garrafas para que eu mesmo fizesse isso, agradeci.
No meio da festa já não percebíamos mais a presença da aniversariante. Só depois fiquei sabendo que tinha ido dançar arrocha num bairro da periferia da cidade. Enquanto isso, sambei, cantei, conversei, abracei, beijei.
Por volta das 03h30min da manhã fui expulso da festa por uma amiga que ficou responsável pelo evento após o sumiço de Arianne. Com gritos de “sai” ela mandava que me levantasse da cadeira. Saímos e fomos à direção de um outro bar da cidade. Sentei por alguns minutos, conversei, abracei, e beijei e fui embora.
Durante o percurso paramos na ponte para esperar uma colega que nos acompanhava. Escutávamos vozes, mas não tínhamos nenhuma sugestão do que pudesse ser. Ou melhor, até tínhamos. Após alguns minutos chegou a esperada amiga e continuamos o percurso até nossas casas.
O banho quente e demorado tirou-me todo o sono. Fui para a cama e “assisti televisão” até as 6h30min da manhã, dormi. Exatamente três horas depois fui acordado pelo barulho de uma caminhada que parecia ter algum fim social e assustei-me com o ambiente do quarto desconhecido. A partir desse momento o tempo pareceu estar cronometrado no resto do dia.
11h30min. Comia uma lasanha muito ruim feita por uma amiga. Quando ela me perguntou uma nota e pediu que fosse sincero, não fui. Entretanto esta foi a única refeição de todo o dia. Despedi-me de todos, inclusive da aniversariante desaparecida e fui embora, dessa vez para minha casa.
Tomei banho e fiz a barba que já começava a incomodar. Tinha sono, mas não tinha vontade de dormir. Afinal era domingo.
Coloquei uma roupa qualquer e fui pra casa de Sarah, a fiel companheira. Chegando lá a encontrei dormindo abraçada à boneca. Sarah usava uma camisola preta, que a deixava quase despida me fazendo perceber seu belo par de pernas. Andréia, deitada na cama ao lado passou mal durante toda a noite e continuava com fortes dores no estômago. Ela tinha roubado um prato de farofa na cozinha do bar que juntava as sobras da festa. O que ela não sabia, e a revelei naquele momento de dor, era que devido à falta de cinzeiros na mesa, estava usando o prato para depositar as cinzas do meu cigarro.
15h45min. Dava socos na porta do banheiro a fim de apressar o banho de Sarah enquanto convencia Andréia de que não era o culpado pelas fortes dores em seu estômago.
Após um longo tempo de espera pude, enfim, sair em direção ao bar. Em companhia das colegas da última madrugada, ia em direção ao bar que aconteceu o aniversário. Sobraram oito cervejas, e tínhamos que cortar a ressaca. Bebemos um pouco, conhecemos os presentes e comemos o bolo. Decidimos ir para outro bar. Mal sabia eu que a boêmia me esperava.
16h20min. Sentamos à mesa e o garçom logo nos atendeu. Mais cerveja. Chovia. Os pingos que molhavam meu rosto pareciam me tirar a vontade de beber, pensava em ir para casa, ilusão.
A música alta que saia do carro já nos fazia dançar e beber mais que o esperado. Também comíamos. Alguns colegas, até então desconhecidos faziam um churrasco ao lado de nossa mesa.
23h30min. A cerveja já não parecia tão gelada. O seu cheiro não era dos melhores. Após provocações feitas pela aniversariante desaparecida tomei toda a cerveja que já nem espumava em meu copo, vomitei.
Para a minha surpresa fiquei até melhor que antes. Mais uma vez chamei Juninho, o garçom, e pedi para que me trouxesse uma outra cerveja. Tinha que tirar da boca o gosto ruim do vômito, bebi mais uma vez. Esta, por sinal, estava muito boa.
A mau lado, uma amiga me chamava para jogar sinuca, e, logo após levá-la pra casa. Fomos a procura do sinuca, não encontramos. Decidimos então...
00h00min.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

A arte de viver um boteco

Cerveja gelada, copo escorrendo. O cheiro do cigarro contrastava com o odor apodrecido de um carro que coletava o lixo da rua e passava ao nosso lado. Garotos gritando sobre o canto de um passarinho de penas pouco coloridas preso numa gaiola trançada por finos pedaços de madeira e ferro que concorria com o som da radio, carros e motos que passavam pela rua, além de um cortador de cerâmica na casa ao lado.
- Mais uma cerveeeeeja Gel! Gritavam mais uma vez os garotos.
Eram 10h01min da manhã, a rádio anunciava, e aqueles pivetes com farda da escola conversavam bobagens enquanto tomavam cerveja. Assim como eu. Não sabia ao certo o que escrever, enchia meu copo e olhava para o teto repleto de bandeirolas coloridas que pareciam persistir desde a festa do São João passado. Ao fundo das bandeirolas, que balançavam com o vento quente, uma lona preta um pouco encardida. Pequenas plantas, se não estiver enganado um coqueirinho e um feto com folhas verdes e vibrantes, estavam penduradas e presas ao teto.
Paro por mais um instante enquanto encho meu copo. Percebo um córrego de água barrenta passando por baixo da minha cadeira de plástico branco. Não sabia exatamente de onde vinha ou onde ia parar. Talvez num bueiro qualquer espalhado pela rua.
Olhava para dentro do boteco e sentia fome ao ver uma variedade de lanches na vitrine. Nas prateleiras, pacotes de salgadinhos de R$0,10 pareciam implorar para serem comprados, pois tinham que concorrer com uma infinidade de balas e pirulitos a procura de crianças engraçadinhas.
“Tudo que preciso vem de Deus”, estava escrito num pedaço de gesso em forma de coração pendurado na parede. Poderia dizer que a dona do boteco, Gel, era religiosa? Não parecia fazer o tipo daquela mulher forte, decidida, comunicativa, com pochete na cintura e calça marrom que juntava o lixo deixado pelos garotos que bebiam cerveja. A minha cerveja, por sinal, já estava quente.
Tomo um gole grande e encho o copo novamente. O cheiro da bebida parece chamar a atenção de duas moscas que a pouco tinham relações sexuais no pote de flores artificiais. A cor alaranjada de suas pétalas contrastava com o azul marinho da toalha de mesa e dos azulejos brancos que vestiam o chão e metade da parede do boteco, a outra metade, alaranjada, combinava com as flores.
- Me dá um cigaaaaarro Gel! Gritei.
Sara, uma colega que me acompanhava na mesa, pediu outro.
- A cooonta Gel! Tava na hora de voltar. Tinha que deixar a vida boêmia e badalada do boteco para voltar e digitar esta descrição que vos faço. Mais tarde voltarei, se voltarei.

À espera num certo bar.

tum tum tum tum tum tum tum tum tum.
Ela se aproxima. Não consigo manter o rítimo tranquilo de minhas pulsações. Um demorado aperto de mão , misturando o suor de longos minutos de espera pra te achar entre a multidão, à distância.
Um beijo desconcertante no rosto. Ela me pede retorno levando, vagarosamente, seu rosto até minha boca. Discreto e desconcertado, encosto meus lábios em tua face pensando se tenho mesmo que fazer aquilo.
Senta-se ao meu lado, encosta sua perna na minha e fala bobagens intercaladas por comentários que mais parecem curiosidades de figurinhas de big-big. Seu jeito mole de falar e seus olhares penetrantes me envergonha. Tento não encarar por muito tempo. Tenho medo de pensar o que realmente acontece, embora nada aconteça, sempre.
As pessoas em nossa volta conversam, são legais. A cerveja esquenta no copo.
Em certos momentos tenho a impressão de que também me olhas de uma outra forma, disfarçadamente. Aliás, será que olhas realmente para mim? Não seria, tudo isso, fantasia de meus desejos?
Rapidamente o tempo passa, você se vai. Vai, tens de ir embora.
tum tum tum tum tum tum quando se despede de mim. Me beija novamente a face, me diz mais um monte de bobagens e vai embora, mais uma vez. Acompanho teu caminhar cambaleante. Então olhas para trás. Será que me chamas? Que pensou em me dizer um "boa noite"? Ou que apenas olhou para trás, sem nem ao menos me ver? Então some na esquina aquela figura que já era um vulto, fugindo do meu alcance.
Cheiro minha mão que ainda tem seu perfume misturado ao meu suor. Pago a conta, acendo um cigarro e sigo os teus passos, num sentido contrário, calmo. tum... tum... tum...

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Pescando esquecimento



Cinzeiro


O contraste de um olhar atento

Arbusto


Bambus


Crianças de rua? Crianças na rua.


Abraço quente


2+2 = 2

Ir ou não ir?



Resistência

Detalhes

Olá. Sou Ted Sampaio, um estudante de jornalismo apaixonado pela arte da fotografia.

Pretendo neste blog compartilhar "momentos" e "momentos".
Muitas vezes passados por despercebido aos olhos de tantos, os pequenos detalhes das coisas banais possuem uma arte que os diferenciam de tantas outras.
Os detalhes dos locais comuns, das coisas comuns. Este foi o tema escolhido para fotografar e descrever em textos.

Abraço a todos (as) ...